Skip to content

SFT MCHN

remix & mashup blog

Sem citar nomes, até porque DJ cada um tem o seu preferido, é aquele que:

-toca a música certa

-no local certo

-na hora certa


Pode até parecer chavão, e é chavão mesmo. Mas pensem comigo e vejam o que rola prá gente tentar entender um pouco.

Tudo bem se vc gosta de Psy. Ou de House, Techno, dubstep, reggae, rock, trance, forró ou qualquer outro ritmo inventado nos últimos 4 séculos.

O que importa em um DJ é a quantidade de diversão que ele te proporciona, correto ?

Não adianta vc sair cheio de pique na noite e cair numa balada que o DJ é um lixo. Que só toca aquilo que ele quer ouvir. Ou, pior ainda, vc ir numa balada prá curtir deep house e o Dj só tocar electro.

Aí vem a explicação do primeiro ponto. O DJ que toca a música certa.

Se você vai no CTN (Centro de Tradições Nordestinas, um mega espaço aqui em SP), vc vai atrás de forró e suas vertentes. Não vai lá prá ouvir a última do Tiësto. Aliás, se o Tiësto, considerado um dos melhores do mundo, for tocar por lá, vai criar o “efeito Moisés”, que é abrir um espaço no meio da pista, igual Moisés fez com o Mar Vermelho.

Então chegamos ao segundo ponto. No local certo.

Tem DJ e lugares prá todos os gostos. É só vc procurar um pouco que vai achar.

E não acredite que vc, apreciador de rock (por exemplo), vai prá Londres curtir a Ministry of Sound achando que vai ser a balada mais louca da sua vida, que não vai ser. A Ministry, apesar de mega-famosa-hiper-badalada-uber-top-hey-hey-hey, não vai fazer a cabeça do rocker. Vai fazer a cabeça de quem curte o som que toca lá. Depende da noite, depende do DJ.

Muito bem. Dois pontos explicados. Agora vamos ao terceiro ponto.

Na hora certa.

Vc acha bacana chegar numa balada e a música mais sensacional de todos os tempos daquela semana que vc tá curtindo muito tocar as 10 da noite, quando a porta nem abriu ? Não, né ?

O bacana é vc entrar e o som te envolver aos poucos. Mesmo com a pista aberta não dá prá sair tocando só as babas logo de cara. Dá prá conjugar. Tocar um pouco as mais conhecidas, colocar algumas que vc sabe que vão casar com essas e que não vão fugir da linha que vc tá propondo, voltar prá mais babas, tocar outras, emendar com algumas antigas e algumas outras novas. Aí vc toca aquela música mais sensacional de todos os tempos daquela semana que vc tá curtindo muito. Todo mundo vai dançar. Todo mundo vai curtir.

Não dá prá entregar o jogo no primeiro tempo. Não tô aqui dizendo que vc tem que esconder o jogo, muito pelo contrário. É vc jogar de uma forma aberta, onde vc mistura as mais conhecidas com algumas outras menos conhecidas (pode até tocar pouco dessas, até o limite do “uia, vai começar a amolar”), sempre criando um crescendo, culminando naquela mega baba. Vai construindo a escada degrau por degrau.

Ou, se vc for um DJ que teve outro prá abrir (Kudos sempre prá esse DJ nessa posição inglória, o “abridor de pista” (já fiz muito disso)), já começa com a mais sensacional de todos os tempos etc, etc, etc. Aí o povo pensa “Pff, já tocou a mais sensacional agora, o que será que ele vai fazer então?”.

Aí é a hora de quebrar a bunda de todo mundo. Inventa. Cria. Supera. E faz uma puta balada prá sair exausto da cabine.

E sobre equipamento, vamos parar um pouco com esse papo de “só toco em vinyl, só uso Technics, não gosto de PC DJ”. Lógico que PC DJ, esses que baixam software pirata e ficam apertando o mouse a noite inteira, não merecem o menor crédito.

Mas se isso for o começo de um cara que tem futuro e o set dele for bom, porquê não se render um pouco ao que o cara tá fazendo ? Pô, se um amigo seu não tem grana prá começar mas conhece música prá cacete e vc gosta do que ele toca, não importa se é no vinil, no CDJ, na controladora ou no Windows Media Player. O cara vai fazer bem. Aí ele arruma grana e compra um setzinho simples. Todo mundo começou apertando os botões mais podres de todos. A gente melhora com o tempo. Só não pode acomodar.

Eu amo tocar em vinyl, começei assim (nem tinha a MKII, era uma outra mais antiga, com pitch de botão giratório, e o mixer era aquele UREI, também com botão de dial), toco atualmente em CDJ, vou mudar prá controladora MIDI + vinil e tenho certeza que a pista não vai ficar mais ou menos cheia por causa do meu equipamento. Vai ficar mais ou menos cheia dependendo única e exclusivamente do que eu tocar pro povo dançar. Simples assim.

Exemplo ? Esse tiozinho com duas pickups das mais simples da Vestax e um mixer. Dá uma ligada no que ele faz com os 45rpm antigos. O custo desse setup ? Lá fora não sai por 500 dolares. Mas quanto vale o conhecimento musical do cara ?

Tudo de bom,

Billy.

Tags: ,

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: